in banheiros, facepoop, jives, social media

Insights de banheiro e o Facepoop



Ou ‘Você não consegue um milhão de amigos sem escrever umas frases enquanto caga’.

Comecei a prestar atenção ao que essa galeré descolada escreve na parede dos banheiros.

Além das ofensas clássicas e dos excertos de auto ajuda (alguns eu desconfio que são escritos numa espécie de freestyle com trechos bíblicos e frases soltas do Gasparetto), o público deste tipo de serviço adotou também rabiscos com desenhos de mulheres nuas e órgãos genitais masculinos em seus posts. Clara eficiência de conteúdo despojado e indiscriminado.

Apelidei de Facepoop porque não vejo outra maneira de levar essa piada tão longe.

É a maior e mais barata rede social do universo, cujo único gadget para ter acesso é uma caneta bic ou uma hidrográfica (para contas premium). No Facepoop você pode deixar mensagens, textos, desenhos ou até zines (a Juliana Cunha tinha um).

Fontes diretas de confiança confirmam que o Google está interessado em patrocinar as portas com ad sense. Através deste programa, aquele pessoal do “Adoro homens, entre em contato 9999-9999” e “Moreno gato 23cm procura casal 9999-9998” já começou a fazer previsões sobre os preços da tarifa a ser cobrada neste tipo de publicidade até então gratuita.

Certamente mais um case a ser estudado pelos analistas de Social Media.

Deleted Quotes: ‘O senhor é meu pastor e nada me faltará’ é a máxima da falta de papel higiênico.

Comments are closed.