in cruzeiro, jives, sindico

Writer’s block? Chama o síndico

Fim do Fantástico, todo mundo havia ido dormir. Na clara tranquilidade do domingo à noite, no prólogo da madrugada, eu ouço os carros bem longe, penso num post pro blog e a idéia não vem de jeito nenhum. É quase meia noite e eu vergonhosamente fechando os editores de texto (porque sinto informar, mas amassar papéis e jogar num cesto de lixo superlotado é uma imagem ultrapassada e inverossímil de um escritor, forte abs).

Daí o Caio chega aqui no copndomínio e faz um barulho infernal ouvindo um pagode qualquer no carro. Geral dá aquela acordada de leve e volta a dormir se perguntando quem é esse maluco, xingando baixo até embalar novamente no sono mais curto da semana.

Passam.3.minutos. Eu fazia uma listinha de músicas no notebook, um desses memes do Facebook que a gente faz mas não tem coragem de postar. Com o som da TV no mute, ouvia minha lista quando o síndico começa uma gritaria (só se ouve a voz dele) no hall principal do prédio: ‘Quem vocês pensam que são?’, ‘pessoal vai trabalhar amanhã’, ‘todo mundo dormindo’, ‘é multa, vou multar’, ‘tira a mão de mim que eu não sou moleque’, frases corriqueiras nesse tipo de situação.

Quando acontece uma parada dessas, cada apartamento se transforma numa área VIP do nosso Teatro homemade, cuja peça em cartaz é sempre uma preciosidade. Dessa vez era o síndico, o Caio e sua família, alguns amigos, uma voz que dizia ‘sai daí Caio’ vinda de qualquer lugar do céu (Deus? Quem sabe não desse um bom roteiro) e o cara que cantarolava numa janela escura ‘umnovezeeero, to ligando, uuuu-uuu, uuuumnooovezeeero’, quase uma vuvuzela em forma de gente.

Ele fazia parte de uma platéia admirável. Sério, admirável. Porque nego não consegue somente assistir da janela, a interatividade está em alta, tão aí as redes sociais que não me deixam mentir (oiq?). Os atentos espectadores começaram a surgir em vultos nas janelas sob os gritos de ‘multa mesmo!’ e ‘parabéns ao nosso síndico’ seguidos de palmas lancinantes para o convívio social.

Eu só aguardava sair um tiro, ou qualquer coisa assim, os gritos eram histéricos e estavam numa crescente. Mas isso durou até ouvir a voz do Caio e do Nando, quando percebi que era só o síndico levando suas frustrações madrugada adentro para a casa de todo esse público lindo. A briga acabou do mesmo jeito que começou, sem sentido. De um segundo para o outro as vozes cessaram, é como se o dono do teatro tivesse desligado os microfones alegando que a locação do espaço era só até 00h30.

Mas pelo menos eu consegui meu post. Um abraço a todos os envolvidos.