in insetos, jives, madrugada, vida

Procurar o que não se encontra

Sempre procuro razão onde não vou encontrar. E me descubro vasculhando álbuns alheios, buscando em algum lugar, algo que me explique como a vida que levo hoje possa fazer sentido. Por onde passaram as pessoas que tenho aqui comigo e como elas chegaram aqui, como permaneceram. Eu sempre procuro o que não vou encontrar.

Um inseto pousa ao lado da lâmpada da sala, são quase quatro horas da manhã. E pareceria poético se não fosse tão solitário. O barulho das teclas a essa hora da manhã ainda é mais alto do que o trânsito lá fora e só perde para o caminhão de lixo (sério, o que a escala desses caras faz antes de chegar aqui?).

Tenho receio de que ele despenque sobre o teclado. Está bem acima da minha cabeça, parado, inútil, se aproveitando da minha conta de luz que, mês que vem deve vir dobrada. E ele apareceu justo no momento em que eu procurava algo que não devia achar, ou que jamais deveria procurar.

Não sei o que diabos um inseto busca parado de cabeça pra baixo no teto, próximo a luz. E porque eles não aparecem de manhã, na televisão, por exemplo. O que ele busca parado, sem se alimentar, negro, cheio de asas e antenas, pequeno e inútil a si mesmo. Bem, meu parceiro de madrugada deve ter aprendido comigo como procurar respostas que jamais vai encontrar.

*

A tempo: Por que os insetos somem quando amanhece?