in jives, life sucks, sobrevivência

Sobreviver

Eu olho pros lados e tem um monte de livros na estante, um monte de páginas que nunca tive a coragem de abrir e desistir no caminho, uma caixa de discos velhos, meus CDs e a certeza de que me daria bem montando um consultório médico pela quantidade inacreditável de revistas. Um monte de coisas com um dono invisível, como naquela tirinha em que o cara do futuro volta numa viagem do tempo e se encontra com oito anos de idade, pega pelo braço e joga o garotinho que era dentro de uma máquina de fazer linguiça porque “não vale a pena de qualquer forma”. Gostaria de voltar do futuro e dizer “mano, pára de ser otário”. Sério, gostaria muito de pelo menos uma vez por semana voltar ao presente e dizer a mim mesmo o que fazer. Porque existem respostas indecifráveis, pensamentos que não quero ter e toda essa confusão que caminha dentro do meu cérebro como um monte de urânio enriquecido dentro de uma coqueteleira que ao ser chacoalhada de verdade promete explodir. Explodir feio. Se é que urânio pode ser mesmo enriquecido dentro de uma coqueteleira. Eu tenho andado com a cabeça fria. Mesmo esses tempos atrás, em que estava na época que chamam de inferno astral, o mês exato que antecede seu aniversário, ou coisa que o valha. Pelo que estou entendendo de astrologia (absolutamente nada, veja), isso consiste em te arrumar problemas imensos e trágicos, mas que de uma forma ou de outra você consegue resolver. E então, como presente de aniversário, te livram de todas essas pequenas misérias solucionáveis para te jogar novamente no mundo real repleto de pequenas misérias não solucionáveis que vão perturbar a sua cabeça como duas crianças mimadas brigando pelo último boneco do Ben10 num drive-thru qualquer. E enquanto isso eu tenho os livros e os discos e a mobília como abrigo quando não tenho com quem conversar. No final de junho preciso deixar esse apartamento, caso nada dê muito certo na vida. Não tem dado. Eu sou um dono invisível de histórias e músicas que não tem pra onde ir. E eu não confio mais tanto assim. O azar existe pra me dizer que as coisas podem não se ajeitar e que você vai ficar na merda por um tempo, mas hora ou outra a coisa toda vai melhorar e você poderá novamente ter dinheiro pra comprar seus cigarros e beber para esquecer a semana que terá sido, por sinal, uma merda. Sobrevivência eu chamo. Sobrevivência, eu acho.