in crise, jives, life sucks

Vinte e nove

Estou de joelhos pro mundo. De joelhos, não como quem se prostra, mas como quem se abandona. Um jogador depois de perder o último pênalti na Copa do Mundo. Olhando a tudo cada dia menos surpreso, cada dia mais calado e distante. Eu sinto o mundo me batendo pelas costas, sinto a força da humanidade me crucificar como o que não foi feito pra se encaixar em lugar algum. A quem cobram saúde, roupas limpas e cabelo cortado e que, a despeito disso, segue se alimentando mal de madrugada, usando as mesmas camisetas amassadas e o cabelo desgrenhado como nunca antes. Eu estou sentado à beira do universo, perdendo controle sobre o chão, à beira de um precipício em que tudo parece mais seguro, ao menos, como uma criança que balança os pés sentada num banco de praça muito alto. E eu não sei tocar o chão.
*
Leo, encarando foda a chegada aos trinta, a crise que nunca falha.

  1. Mano, é foda mesmo. Você, mais do que ninguém, sabe as paradas que eu aprontei nos últimos 6 meses na casa dos 20. Mas parece que tudo de ruim na minha vida ficou na casa dos 20. Depois de muita reflexão, cheguei à conclusão que chegar aos 30 é a melhor coisa que poderia acontecer pra um cara louco como eu (você, Paschoal, Gabriel, essas porra tudo ai…)
    Mas a gente só percebe isso quando a crise passa. Essa Bad aí é normal, mas vai embora, assim como a ereção imediata, peculiar aos 20 e tantos….
    Relaxe e fale com seu médico. O Pelé e eu falaríamos.

Comments are closed.