O meu bagulho é ser invisível

Ser invisível é estar em par com o esquecimento, com as histórias não vividas, o upside down das vidas que ficaram pra trás. Conversas, pop ups, desabafos. Eu desabo todos os dias. Meus momentos de lucidez são pequenos e frágeis, escondidos em minhas figuras, em meus dias que passam breves, fugazes, instáveis.

Já não tenho mais grandes esperanças e o destino me parece uma pipa com a linha cortada, atravessando o Jardim Rosana e contemplando de sobra toda a imensidão do universo, mas sem saber onde vai cair. Esperando que seu futuro seja um pouco mais nobre do que a solidão de um poste da eletropaulo.

Ser invisível, no fim das contas, era o meu bagulho desde o começo.

Pegamos uns filmes também

Simplesmente Complicado, com a versátil da Meryl Streep interpretando uma mãe divorciada, o Steve Martin – que comecei a chamar de Leslie Nielsen Jr. – num papel meio derrotista e o deselegante do Alec Baldwin fazendo piadas sem graça como no 30 Rock. Se eu assistir mais um filme com a Meryl Streep cozinheira, sério, me mato.

Coração Louco, com o Jeff Bridges, inspirado em um livro que ainda não descobri. Sobre a história de um astro falido da música Country, um renegado, um true.  Esperava que fosse uma história real, por conta do roteiro meio lento que faz sentido quando é o Johnny Cash ou o Elvis, mas não quando é um Bad Blake, Bad Who? Bem, até agora achei pouca coisa sobre. De qualquer forma, o filme tem uma excelente fotografia e trilha sonora com umas músicas do Jeff Bridges mesmo. Me fez baixar novamente uns discos do Hank Williams.

Um Homem Sério, filme em que os Irmãos Coen tentam te confundir, criar causalidades em casualidades e jogadinhas de câmera, com a moral de dizer “aceite o mistério”. Gostei do humor negro das situações, da idéia do “até quando?” do Bukowski, dos anos 70, não curti o jeito de não te explicarem nada direito.