Uma spin-off versão do diretor

Era uma noite de sábado e passava das onze e meia. Estávamos no quarto assistindo a segunda temporada de um seriado que gostamos. Como eu já tinha visto alguns dos capítulos, saí para comprar cigarros e deixei ela deitada vendo TV.

Quando peguei o carro para ir até a loja de conveniência fazia um friozinho bom, daqueles pra se manter debaixo do edredon com quem quer que seja que você ame. Peguei o maço de cigarros, o frentista disse que eles estavam com um problema para passar o cartão, mas que seria resolvido em 20 minutos no máximo, então fiquei fumando no canto do posto de gasolina.

Ao olhar pros lados sinto uma calmaria intensa, mesmo para uma noite de sábado. Nessa hora aparece um carro bem lá na avenida, cheio de gente, cabeças pra fora e som alto. Descem cinco pessoas. Cinco amigos muito próximos. Bêbados, exaltados, felizes, estavam vindo comprar cigarro e mais algumas coisas para levar na festa que já estava rolando na casa de um deles. Me chamaram mais de três vezes, mais de três vezes eu neguei, com aquele pequeno remorso que sempre existe quando isso acontece.

Eles partiram, eu entrei e paguei o cigarro. Entrei no carro pensando muito sobre o que aconteceria se eu estivesse naquele posto antes do natal de 2008 quando comecei a namorar com a Denise. Perguntei se meu coração estava mesmo naquele edredon, em casa. Pensei se tudo aquilo valia a pena, voltar pra casa, ficar com ela vendo TV até adormecer. E aquele pequeno remorso por não ter ido voltou mais forte quando estacionei o carro e entrei em casa.

Deixei o maço sobre a mesa, tirei o tênis e, ao abrir a porta do quarto, ela estava quietinha, iluminada apenas pela luz da TV e me olhou com os olhos mais vivos do mundo, abrindo um sorriso que iluminou o quarto inteiro e fez toda aquela dúvida desaparecer como que por encanto. Voltei pra sala e deixei as lágrimas escorrendo enquanto ela continuava vendo o seriado e depois voltei pro quarto pra contar o que tinha acontecido. No fim das contas eu e ela fizemos tudo valer a pena e eu pude acertar o lugar em que estava meu coração.

***
***
Pra vocês que estão acompanhando esse middle season, não está tudo bem ainda, estamos reformulando os contratos da terceira temporada, sem previsão para retorno. =/

E o meu erro foi crer que estar ao seu lado bastaria

Prefiro postar aqui, enquanto esse blog é um recanto relativamente escondido. Comecei com tantos lamentos no Facebook que comecei a ter pena de mim, o que é preocupante.

***

É difícil aceitar uma vida que atualmente não é a sua. Beira o impossível. Mesmo sabendo que é isso que você um dia vai precisar pra viver e que enquanto você ama, vale a pena, como diz uma amiga. Minha vida de hoje eu não imaginava aos 20, como provavelmente não imagino como será ano que vem etc. Acho que mais triste de tudo isso é querer levar pra frente alguma coisa que faz tão mal pra nós dois.

Nada era tão difícil quando era só a gente.
Só tá me faltando essa coragem de mudar o status no Facebook.

=/

3rd season

Dentre as coisas mais difíceis que já conheci está ‘namorar’. Juntar duas vidas completamente distintas em uma só instituição, lidar com prioridades diferentes para um e para outro, conciliar as divergências para evitar problemas e, para que, ao final disso tudo (e com alguma sorte) conseguir um beijo displiscente e desamarrado do mundo.

Porque é nesse momento que as coisas se desprendem, sabe qual é? Aquele momento que você diz pra ela que gostaria de ser eterno, pra parecer fofo e/ou plagiar o Nando Reis sem ela saber. Porque, afinal de contas, é tudo um grande poço de responsabilidade, dívidas, compromissos, especulações e brigas. Aquele momento, aquele único, em que os lábios se encostam é quando tudo se desfaz, quando tudo que é ruim se perde numa ignorância que nos faz felizes e completos.

Sim, amigos, hoje faço três anos de namoro com a Denise. E que venha a terceira temporada.

Faz parte do meu show

Houve uma época em que eu queria ser sozinho. Ter meu apartamento alugado, perto do centro, provavelmente com uma boa vista pra nove de julho, usar araras ao invés de armários, ter o Playstation instalado permanente no rack da sala, aquele tapete de banheiro do Wu-Tang clan, o o espelho da revista Time. Afinal, quem mais gostaria de ficar em casa lendo, ou no escuro à luz de um abajur ouvindo Paralamas do Sucesso? Quem gostaria de debater as notícias mais rasas e frias do jornal com a profundidade de várias ciências sociais que eu debatia sozinho? Não havia nada desse mundo que me movesse da minha visão de futuro que era eu falando sozinho sentado numa escrivaninha à meia luz batendo o cigarro num cinzeiro do Malvados.

E aí, houve a Denise, o plot twist da história da minha vida.

Eu poderia dizer que as coisas mudaram e que agora eu sei o que é certo e o que é errado na vida, essa coisa de namorado adestrado. Mas não funciona assim. Na verdade eu tenho sorte de ter encontrado aquela pessoa que aceite essa maluquice de curte debater comigo todos esses pontos profundos em notícias cruas, enquanto ouvimos Lanterna dos Afogados na luz baixa da sala. E não consigo ver mais sentido na arara porque os vestidos dela talvez empoeirassem e a integridade física dos vestidos dela talvez façam tanta diferença quanto meus livros ou meu DVD do Clube da Luta. Acho que naquela época eu precisava entender que ela não estragaria nada dos meus planos, ela entraria neles junto comigo. Talvez acrescentasse alguma coisa e tentasse me dizer que aquilo do cigarro deixaria de fazer sentido em alguns anos. Naquela época que eu projetava o futuro do meu apartamento com vista pra Nove de Julho eu achei que outra pessoa atrapalharia todos os meus planos, hoje eu digo que não consigo pensar mais os planos sem colocar ela no meio.

É como um desses romances bonitinhos, inocentes e simples das músicas do Cazuza que a gente acha bobo e dedicado e afetado demais, e que na verdade é tudo isso mesmo.

Desktop



de Robson Assis
para Denise Bonfanti
22 de março de 2011, 19:30

“Ter sua foto na minha mesa é como ter você do meu lado o dia todo. não é pra lembrar de você. É pra saber que eu nunca vou te esquecer”

***

É um crescimento pessoal e tanto ter uma foto da namorada na sua mesa do trabalho. Diz muito sobre quem você é. Diz mais que essa frase piegas que você mandou por email. Diz muito sobre como você pensa sobre ela e a importância de toda essa história que vocês vão escrevendo. Não é o romance sereno e simples dos livros. E é bem melhor que seja assim.

Explica também uns sumiços no hall de amigos, explica porque você vai dormir cedo no sábado e começa a planejar com antecedência os feriados prolongados. E porque você prefere um jantar em casa e um clássico do cinema do que luzes coloridas frenéticas e gente bêbada te esbarrando.

Mas principalmente, explica que você rearranjou uns pauzinhos e destravou o firewall das suas ideologias insensatas pra colher um sorriso bonito que estará sempre lá quando você precisar.

she's the one

Carnaval on demand

Tiramos o carnaval para fazer o que não temos tempo durante dias normais, como ficar juntos, por exemplo. Nem que seja apenas por pizzas de forno, um monte de filmes western e episódios de How I met Your Mother que desajustam tudo o que vínhamos pensando sobre nossa juventude. Só queríamos uma cama pra deitar e ver o tempo passar.

Pela primeira vez na vida não assisti absolutamente nada sobre o carnaval e neste clima de assistir o que se quer por demanda, acabamos exigindo não ver nada na Globo (apesar dos quatro minutos vendo um filme do Didi que devo apagar da memória).

Não previmos que as tias dela voltassem antes do ‘combinado’ e acabamos surpreendidos com sofás nos lugares errados, mesinhas dentro do quarto, dois colchões bem no meio da sala e minha TV em cima da mesa de jantar. Momento awkward em vários níveis, eu sei.

E hoje, terça-feira de carnaval, chove lá fora o que extermina nossos planos de ir pro parque passar a tarde lendo e recriando nosso mundo todo a parte da necessidade de diversão extrema.

Esse foi, sem dúvida, meu carnaval mais tranquilo em anos. Todo esse silêncio e distanciamento fomos nós que escolhemos também. É como um final de temporada (e aqui você insere o comentário mental sobre o fato de eu estar vendo séries demais), estar longe de uns amigos que vivem experiências parecidas em outros lugares olhando a mesma lua que você e acreditar no que vem pela frente enquanto a câmera se afasta e eu recoloco o cabelo dela atrás da orelha.

Roll Credits.


Sufjan Stevens, To be alone with you

Seu Valetim

E, de um minuto pro outro, meu pai fica destroçado por estar longe de minha mãe enquanto ela acompanha minha tia no Maranhão, meu irmão enche o saco dele até não poder mais, e eu não posso ver a Denise, pois tenho que voltar pra casa cedo e remediar essa situação escrota, o que tem causado um desconforto extra no relacionamento nas últimas semanas. Eu pago o tempo perdido, prometo, só não sei quando vai ser.

Tudo isso, no Valentine’s Day, em que eu adoraria estar perto dela. =(

{mesmo sem fazer a menor idéia do que se trata essa data}

Sujeira, mano, sou sujeira

O final de semana foi a prova definitiva para manter a última frase do meu perfil (ao lado) no lugar em que ela está. Ou trocá-la por ‘eu não presto, mano, sério’. Minhas expectativas não erraram. Eu, esse bêbado inconsequente e descontrolado, não mereço nada mais que uma vida merda. Obrigado, mundo, por fazer seu trabalho tão lindamente.

E toda essa indiferença, cara, vem de onde? Dessa vez eu não consigo me sentir completamente errado. E veja que, ‘completamente’ é o que dá sentido na frase. Eu sei do que devo e não devo fazer, embora possa ocorrer erros de percurso, inadvertidamente. O que não posso entender é como um erro pode anular todo o resto. Isso facilita bastante. Quando você tem tanta coisa boa pra lembrar, você não consegue imaginar como esse negócio de beber incontrolavelmente te faz um cara escroto do dia pra noite.

Talvez eu consiga guardar as alianças na caixa de recordações, ou alterar o status do relacionamento, ou devolver os livros dela que ainda nem cheguei a ler. Mas agora pouco, no carro, deixando ela em casa, tive a sensação de estar assinando um atestado de fracasso sentimental que vale pelo resto da minha vida.

Ela só era boa demais pra mim. =(

Recomendações do coração

Amig@s, venho por meio deste post indicar o Zuei de Chanel, blog da minha garota.

A Denise é dessas pessoas que escrevem bem mesmo os e-mails pessoais mais rotineiros e consegue ser profunda até nos post-its colados no monitor. Claro que sempre ficava maluco por ela não ter nenhum relicário virtual onde pudesse guardar seus pensamentos.

Ela vai escrever sobre moda, envolver música, cinema e qualquer outra coisa que lhe cause distúrbio nos sentidos. Coisa fina, vão por mim.

Fica a diva.