Degustador Freelancer

7324003260_953ca055ce

Daí estou na fila do mercado empilhando coisas em meus braços por preguiça de andar mais 15 metros até o lugar onde depositam os carrinhos e cestas, lugar este que não fica na entrada, nem tem um acesso fácil, mas dista 15 metros da porcaria da entrada.

Na minha frente, uma moça com uma garotinha e um cara, visivelmente embriagado, ou possivelmente drogado. Julgo pelos trejeitos malandros demais que as pessoas só adquirem após a quarta garrafa de itaipava ou lá pelo terceiro baseado. Num dos balanços, o rapaz pisa em meu pé e pede desculpas com um enfático Ô IRMÃO DESCULPA AÍ VIU, possivelmente após ter notado meu tamanho (um aliado forte para que as pessoas sejam gentis com você).

Mais à frente, quando a fila entrava naqueles pequenos corredores forrados de salgadinhos antes do caixa, rapaz abre uma batata Lays, “isso aqui é bom demais”. Deixa encostado nos outros salgadinhos e vai apreciando aos poucos, enquanto a fila não anda. Um passo pra frente, ele abre um Doritos, em seguida uma Ruffles. Quando a filha lhe pede para abrir um Pingo d’Ouro ele nega nervoso, “isso aí é uma bosta” e, pouco antes de ser atendido no caixa, abre um Stiksy, aqueles palitinhos viciantes.

Um verdadeiro degustador, faltou apenas um funcionário do mercado trazendo copos de água entre cada prato.

Chega a vez do degustador profissional de porra nenhuma ir até o caixa (ele tinha pego um tic tac pra pagar, coisa de assaltantes de mercado experientes). Antes do beep tocar, ele vira pra mim com 5 palitinhos cheios de sal na mão e diz a frase que jamais sairá da minha cabeça: “eles tentam jantar a gente, mas nóis almoça eles”.

Que noite.

O Doom da Vida

Acabei de voltar do banheiro com isso na cabeça, tive o insight quando coloquei a chave no trinco. Nossa vida é uma versão dramática e boring daquele jogo que era febre no final dos anos 90, o Doom. Portanto, não, eu não errei o título deste post, é só um outro distúrbio que tenho de criar trocadilhos para títulos, como diz a bio na barra lateral.

O que é a vida, senão um Doom sem armas? A sentença não vale para traficantes cariocas, deixemos isso claro. Na verdade, a vida é uma versão de The Sims inspirada na visão em primeira pessoa de Doom. Porque viver é ter uma ficha pra jogar, certo?

E eu lembro do João, que hoje não tem mais blog, infelizmente, me mostrando um artigo na Superinteressante que dizia existir 43% de chances da nossa realidade ser virtual. E lembro de How I met your mother dizendo que todas as estatísticas que terminam com ‘3’ (tipo 43%) são falsas para impressionar mulheres. E eu lembro daquele What is Reality da BBC que eu ainda não tive coragem de assistir inteiro. É claro que é tudo parte da mesma conspiração, não poderia ser mais óbvio.

Um clássico pensamento inútil de quem não tem mais o que fazer a não ser dar contribuições para o layout novo do blog do Leo, que ainda não estreou com post novo, mas já está pronto.

Não é preciso dizer que esse texto não faz o menor sentido e vou terminar por aqui antes que eu tome a sábia decisão de deletar tudo.