O Windows está reiniciando

Algumas vezes me sinto tão descontroladamente perdido que não sei por onde começar. Houve um sábado em que acordei para arrumar a casa cedo e fiquei vagando pelos cômodos sem saber o que fazer com todas aquelas meias habitando lugares tão diferentes do chão.

Me sinto perdido olhando as duas prateleiras de livros não lidos na minha estante e ao lembrar da lista de livros futuros que só cresce no Google Drive. E lembro que tenho alguma coisa pra assistir, que preciso escrever e que certamente não vou fazer nada disso depois que o sofá me abraçar.

Ainda fico no trampo até tarde e faço os reviews de games pra ter mais ou menos o que conversar com os amigos viciados nestas coisas (ando aplicando o mesmo para o futebol de maneira insistente, porém com pouco sucesso). Ainda arrumo as planilhas na ordem em que elas precisam ser feitas. E mesmo quando a luz acaba e eu preciso religar o computador e colocar tudo devidamente no seu lugar, eu sei que só consigo fazer tudo isso com alguma coerência, ainda que ela não faça sentido para mais ninguém.

Concluo que estou naquela fase da vida em que a luz acabou e a minha área de trabalho perdeu as configurações deixando tudo empilhado do lado errado da tela. E aí só tenho Sons of Anarchy, sono e algum pensamento bom sobre o futuro pra perder antes de dormir.

Se pá

Se pá eu não consiga encontrar um bom texto que comece com ‘se pá’. Se pá, nada do que eu realmente quis pra minha vida aconteceu, mas se pá o que veio em consequência disso tenha dado uma volta em torno do eixo e se mostrado tão bom ou até melhor. Se pá eu só não consiga enxergar isso de um jeito que me faça completo. Se pá cheguei naquele ponto crucial em que cada escolha que eu fizer vai parecer absolutamente desacertada. Se pá, acabei de descobrir que esse termo é flexível com os verbos. Se pá me sentir parte de uma multidão caminhando na baldeação da estação Santo Amaro um dia possa fazer um sentido maior pra mim. Se pá a gente nunca encontre sentido em nada e esse puzzle que a gente chama de vida seja baseado em ficar buscando sentido em tudo. Se pá eu só esteja escrevendo esse texto com base em uma gíria porque precisava de um gancho mais perto da vida real e mais distante daquele mundo de frases de efeito publicitário que ninguém lê com muita atenção. E se pá eu acredite que um texto de um parágrafo só seja o maior perjúrio que um redator pleno possa conceder à sua classe. Se pá eu posso não me importar muito com isso, se pá.