Admitir a realidade

“Estamos prontos pra partir de novo os nossos corações. Não vai ser a primeira vez, nem a última.”

Lidar com o término de um relacionamento é, pra mim, o fato da vida que mais me fez mal nos últimos 15 anos. Ter que repensar a vida inteira e deixar de conviver com alguém que fez parte da sua vida de um jeito tão intenso.

Em todos eles, eu disse algo parecido com: “eu sei quem sou quando estou sozinho e definitivamente não gosto muito dessa pessoa”. Sozinho eu sou meu pior inimigo, especialmente no caso de ter sido deixado pra trás (tem muito a ver com receber de volta do universo o que você deposita nele, mas esse é um assunto que me proíbo de falar, apenas por ser fatalista e dramático demais para essa fase).

Estou nesse momento de novo, justamente quando eu achei que isso fosse parar. Ouvir sua mãe te dizer que essa fase da vida é difícil mesmo é ver uma faca atravessando as ideias.

Não me entenda errado. Não estou dizendo “Deus perdoe essas pessoas ruins”. Quero mais é que vivam suas histórias, que conheçam novas pessoas (ou velhas pessoas – estamos de olho). É que, ao mesmo tempo, eu quero provar pra essas pessoas que eu era a pessoa errada pra elas. É aí que procuro tomar as piores decisões, os piores porres, as piores festas e jeitos de se encarar a coisa.

Da última vez que isso aconteceu eu achei que nunca mais pudesse amar alguém de verdade. A gente sempre pensa isso. No começo deste último relacionamento eu tinha o pé atrás e não soube lidar com alguém me dando presentes, comemorando datas e essas coisas. O tempo passou pra me mostrar que valia a pena. E eu estava realmente voltando a ser uma pessoa que acredita nisso.

Quer fazer Deus rir, conte seus planos.

Esse está sendo pior que os outros de certa forma, porque eu realmente acreditava estar com alguém que me faria ser parte de alguma coisa grande, como montar uma família, comprar uma casa, ter filhos etc.

É mais assustador quando alguém que você acha uma excelente pessoa acaba te deixando pra trás.

Tem também o fato de que consigo falar sobre isso para três pessoas na minha vida, sendo que uma delas não ouve nada além de seua próprios problemas. Então eu tenho esse blog que é onde deposito tudo o que quero, afinal de contas eu não pago a hostgator à toa e meus amigos não são obrigados.

As únicas vezes que eu realmente disse as coisas que queria foram mandando mensagens pra ela. Num tom claro de humilhação da qual eu já não faço nenhuma questão de não exibir publicamente (nunca tive orgulho o suficiente mesmo, não seria agora).

Foi quando eu percebi a pessoa que eu estava sendo pra ela. As mensagens carregadas de sentimento, frustração e ansiedade me faziam bem de certa forma. Eu me sentia aliviado dizendo todas aquelas coisas que no fundo não ajudariam em nada a situação, só despejariam mais uma tonelada de sentimentos ruins em toda a história. Me fazia bem porque eu estava tirando aquilo da minha cabeça e fazendo com que ela carregasse metade de tudo aquilo junto comigo. Não estava sendo justo, no fundo estava a um passo de ser um ex namorado detestável e perseguidor.

Foi ontem.

Eu decidi parar de escrever pra ela, custe o que minha mente tiver de pagar por isso. Nenhuma conversa vai me animar tanto a ponto de esquecer tudo o que aconteceu, mas eu preciso passar por isso sozinho.

Tem ajudado a contagem dos dias que estou fazendo no instagram. Todo dia alguma coisa é linda, magnífica e simples o suficiente pra me fazer refletir como estou, onde estou e o que anda acontecendo na minha vida. Não é uma corrente, nem um meme, nem um desafio. Sou eu contando os dias de um ano que vai custar a passar.

Pra quem sabe poder me libertar de toda essa sensação estranha de dividir a casa com um pesadelo morando no quarto ao lado.

Nômade

Sigo nômade, porém com um domínio.
E para tudo há um domínio, mas espero que este me valha de alguma coisa.
Por ora, fiquem com a playlist Fossa – The Definitive Collection e uns abraços de sobra para qualquer necessidade.

Ilha Bela em família

foto de celular, a única que consegui salvar.

Minha primeira visita ao litoral norte de São Paulo estava atrasada quase 27 anos e me lembrou muito o fato de eu só ter conhecido Los Hermanos depois que eles estouraram com Anna Julia, largaram a gravadora major, foram cultuados pelos hipsters e se tornaram off topic nas conversas de bar. Todos já conheciam o enredo da história, portanto, na segunda-feira, nada que eu contasse soaria incrível e tudo o que preciso evitar é gente cagando regra a respeito de algo que eu tenha gostado tanto.

Assunto é litoral norte, né? Voltemos, antes que isso aqui descarrilhe.

Chegamos por volta de 9 e meia da manhã na fila da balsa* sentido Ilha Bela. Depois de quase não aguentar mais esperar, passamos para a bela ilha e paramos num quiosque que ficava… uma praia após a praia do Julião**.

Lugar incrível, calmo, crianças reservadas (mesmo os mais pentelhos como o Pedrinho, meu sobrinho), cardápio inebriante, cerveja gelada, um cruzeiro da MSC passando no fundo, 1979 DO SMASHING PUMPKINS NO SOM AMBIENTE! Cara, o lugar me ganhou nos primeiros 10 minutos.

Acho que o universo girou para esperar que eu fosse até lá com a família da Denise, para que além de tudo isso, eu pudesse começar a me sentir parte integrante da obra, saca?

Ainda tem alguns lances confusos nisso de misturar as famílias, mas algo aconteceu quando eu me percebi naquela mesa de quiosque com meu cunhado sem diálogos recatados, ouvindo as histórias do meu sogro — tão legais quanto as do meu pai — limpando os pés sujos de areia do Pedrinho. Para deixar mais claro, foi esse ‘algo’ que me fez escrever ‘meu sobrinho’ quando falei do Pedrinho pela primeira vez nesse texto.

——

*O termo Fila da Balsa virou uma piada imediata por parecer um xingamento ‘foi esse filha da balsa desse garçom aí’ etc. Não temos classe, amigo, supere.

**Deixei o nome da praia aqui no segundo asterisco pois não gostaria de estragar toda essa linda história de belezas tropicais revelando que o lugar se chamava PRAIA GRANDE. Sim, uma praia chamada Praia Grande no meio das belezas inestimáveis do litoral norte. Mas, como dá pra notar, não deu nem pra lembrar da muvuca, falta de água, gente feia e Sidra Cereser que só a versão sul litorânea desta praia pode oferecer.